Juan Ibiapina bio photo

Juan Ibiapina

Software developer with a passion for programming languages, games and music.

Twitter Facebook Github Feed

Aqui é Assim

“O pessoal daqui não sabe de nada não.

Pega uma banda daqui. Qualquer uma, com raríssimas exceções e presta atenção na mixagem. Presta atenção a diferença do volume do vocal pro volume do resto das coisas, especialmente a guitarra/violão. Baixo nem se fala. Aqui a gente tem cultura de dizer que ninguem ouve baixo. Mas aqui não se ouve mesmo. Aqui só se ouve vocal e bateria. Aqui o pessoal não sabe o que é nota de porra nenhuma. O pessoal sabe o que é voz. E letra. “Sabe”. Porque saber mesmo ninguem sabe de merda nenhuma. O pessoal de sucesso aqui, são os cantores.

Roberto Carlos

Caetano Veloso

Gilberto Gil

Leandro e Leonardo

Zeze Di Camargo e Luciano

É gente que se apoia unicamente (ou quase) só na voz.

O pessoal gosta de Legião Urbana e Engenheiros pela letra. Dizem que é poesia. Cazuza é a mesma coisa. Aqui a gente não tem instrumentista como referencia de nada. Tem uns muito bons, mas ninguem liga.

Aqui as coisas são assim. Aqui acontece o absurdo de eles trocarem guitarra por violão só pra a música tocar na rádio. Eu ja vi isso.

Dizem que o povo do brasil não gosta de guitarra elétrica. Aqui na década de 60 teve uma passeata contra a guitarra elétrica. Teve passeata dizendo pra valorizar mpb. Porque guitarra era coisa de fora. Coisa de americano e britânico. Cultura. O pessoal disputando cultura. Como se violão tivesse sido inventando aqui nesse buraco.

Aqui tem muito essa cultura. A coisa fica o mínimo elaborada, não presta. Cultura de banquinho e violão.

Aqui a gente acha chique ser pobre. Tanto cuturalmente quanto financeiramente.

O brasil é uma merda de cultura tão grande, que a coisa que mais e reverencia aqui é a semana de arte moderna de 1922.

O antropofagismo

Oswald de Andrade

Tarsila do Amaral

A gente reverencia um cara que defende a ideia de a gente “comer a cultura europeia, digerir e pegar o de bom”. Canibalismo e falta de originalidade. Um cara que diz um negócio desses, um ARTISTA que diz um negócio desses, tem mais é que se fuder. Mas acontece o contrário. o cara é considerado um gênio.

Eu acho que o mundo tem coisa demais pra a gente ver, e o pessoal ta preocupado com posse e perpetuar a mesma merda.

O brasil é mestre nisso e infelizmente, eu nasci aqui. A mpb que se tem hoje, é uma cópia da que sempre teve. E é o que continua fazendo sucesso. O problema não é ela existir. Ela tem que existir, tem gosto pra tudo. O problema é só existir isso.

Tem gente que se acha foda porque paga pau pro Dream Theater. Enquanto pagam pau pro Dream Theater, tem gente pagando pau pra Justin Bieber. Ae os paga paus do Dream Theater reclamam dos paga paus do Justin Bieber.

E ae eu te pergunto: qual é a diferença?

Nenhuma.

Mas o importante é que os dois existem. Tem gosto pra um e pro outro.

Aqui não tem. Aqui ou vc gosta de Caetano e Chico, ou vc não tem gosto musical.”


Comments

comments powered by Disqus